Religião

A maioria dos habitantes de Nossa Senhora das Dores, ou seja, 85,01%, declararam-se,

A maioria dos habitantes de Nossa Senhora das Dores, ou seja, 85,01%, declararam-se, no último censo realizado pelo IBGE, adeptos do catolicismo. Já 4,71% identificaram-se como evangélicos, grupo composto por várias denominações religiosas cristãs como a Assembléia de Deus, Testemunha de Jeová, Congregação Cristã, Adventistas, Presbiterianos, Universal do Reino de Deus, etc. Por outro lado, 1,74% afirmaram pertencer a outras religiões, das quais destacamos o Templo Inabor Vale do Amanhecer. No mais, 8,52% se situaram entre os que não têm filiação religiosa, grupo que mais cresceu em relação aos levantamentos anteriores. 
 
  Entretanto, entre aqueles que estão vinculados a uma instituição religiosa, os católicos ainda são maioria, mesmo tendo este credo perdido adeptos na última década. Tal influência pode ser observada na própria denominação do município, mas também na composição espacial da cidade (que cresceu ao redor da Igreja Matriz), no grande número de capelas espalhadas por quase todos os povoados e localidades suburbanas, mas também pela presença de figuras ligadas ao catolicismo, como o Cônego Miguel Monteiro Barbosa, Marizete Costa, Monsenhor Afonso de Medeiros Chaves e outros, na história de Nossa Senhora das Dores. No mais, saíram da “terra dos enforcados” vários dorenses que foram servir à Igreja. É o caso dos padres Fenelon Costa Vieira, José Curvelo Soares (Monsenhor), Antônio Resende de Souza (Monsenhor), e mais recentemente Gildo Alves de Menezes, José Carlos dos Santos (escritor e cantor conhecido como Frei Zeca) e Lenito de Jesus Santos. 
 
Por João Paulo Araújo de Carvalho
Professor, historiador e coordenador do Projeto Memórias.

24 de Março de 2016,
Postado por Visite Dores em Nossa História